CONFIRA TUDO O QUE ROLOU NESSE FINAL DE SEMANA NO 26° FESTIVAL DE INVERNO DE GARANHUNS - Garanhuns Eventos | Notícias e Entretenimento

Ultimas Notícias

Post Top Ad

Banner_anuncie_aqui%2B-0001

segunda-feira, 25 de julho de 2016

CONFIRA TUDO O QUE ROLOU NESSE FINAL DE SEMANA NO 26° FESTIVAL DE INVERNO DE GARANHUNS

A influência de Naná Vasconcelos na geração de músicos contemporâneos ficou ainda mais claro na noite do último sábado (23), quando Zeca Baleiro encerrou a programação do Palco Mestre Dominguinhos, apresentando o projeto Café no Bule com Paulo Lepetit. Vencedor do Prêmio da Música Brasileira na categoria Melhor Projeto Especial, o trabalho prospecta uma sonoridade singular, pautada em raízes miscigenadas da música regional com a música urbana. No palco, os músicos tentaram reconduzir o projeto de uma forma inédita, já que a carga percussiva incumbida a Naná faz falta.”Com certeza falta um desfecho, que seria exatamente subirmos no palco juntos com Naná. A grande alegria era dividir com ele, que além de ser o grande músico que era, era uma entidade, quase um orixá”, disse emocionado, Zeca Baleiro, em entrevista ao Portal Cultura.PE, minutos antes do show.



Naná era da linhagem de Miles Davis, uma linhagem de músicos que não existe mais. O que nos resta é levar isso até onde der, manter essa memória viva. Queremos continuar nos divertindo, como era a pretensão inicial, e levar a diversão que patou o nosso encontro para os shows”, disse Paulo Lepetit. Os músicos honraram o compromisso. Quem ficou até o final da noite na Praça Mestre Dominguinhos, vivenciou uma apresentação sensível e cuidadosa em cada pormenor, pautada num compromisso artístico que, de acordo com os músicos, está longe de ter uma pretensão mercadológica, sendo, acima de tudo, um projeto de vida e de amizade. Ao longo da apresentação, isso ficava ainda mais claro com as imagens exibidas no telão, que mostravam o encontro dos músicos com Naná. “Tentamos manter a música num patamar mágico, lúdico, divertido, prazeroso e a gente conseguiu. Além do Prêmio da Música Brasileira, o nosso maior prêmio foi ouvir Patrícia, viúva de Naná, dizer que ele se divertiu muito fazendo esse disco, ele voltava feliz pra casa”, 


A presença de Cátia de França e Xangai fez da noite um grande encontro da música popular nordestina. Bastante à vontade, os dois tocaram o repertório do recém-lançado Hóspede da Natureza, disco de Cátia inspirado nos cantadores nordestinos com a música urbana. Lançado pela Natura Musical, ela considera o trabalho “um cartão de visita em grande escala”. Aos 70 anos, se mostrou disposta: “Nesse disco tem tudo, até sofrência. Eu já passei por tanta coisa, agora eu tenho é que somar”, disse aos jornalistas após a apresentação. Ex-sanfoneira de Zé Ramalho, que produziu o primeiro disco da cantora, Cátia parece viver um dos melhores momentos de sua carreira. “Não vou parar não. Tenho 70 anos só na casca, mas eu continuo uma criança. Você tá vendo a minha alegria? Sou extremamente tímida, lá em cima é que eu fico com 2 metros de altura. Eu não sei como eu to falando isso pra vocês. É porque eu to feliz demais em tocar aqui. Vocês estão mandando uma energia boa pra mim. Sou muito sensitiva. A minha missão é essa. Sou religiosíssima do Candomblé e tô lendo cada um de vocês”


A Praça Mestre Dominguinhos ficou ainda mais quente quando Elba Ramalho subiu ao palco, um dos pontos altos da noite. “Eu sinto muita gratidão por vocês me suportarem por tantos anos”, disse a cantora, aos risos, no camarim. Uma veterana do festival, Elba tirou todo mundo do chão com seus grandes sucessos, mas não se resumiu ao seu repertório já conhecido. Pautou-se principalmente no seu novo trabalho, Do Meu Olhar pra Fora, que traz três músicas de Dominguinhos, duas delas inéditas, causando uma homenagem pelo três anos da morte do Mestre Sanfoneiro, completados na noite do sábado. “Eu e Dominguinhos sempre cultivamos uma amizade profunda, serena e muito segura. Mesmo nos tempos mais difíceis, de sua doença, ele me dizia que estava compondo músicas. Aquilo vinha de forma emblemática e sublimada pra mim, como uma necessidade para quando ele se fosse”, declarou a cantora ao Cultura.PE. - See more at: 









Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad

Responsive Ads Here